expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

segunda-feira, 11 de junho de 2012

O pássaro azul da felicidade

“As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas,
elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos." Clarice Lispector

            Peço, encarecidamente, que me dê uma pista de como achá-la. Ando procurando incessantemente, durante dias e noites, embaixo de chuva e sol, frio e calor, a Felicidade. Vocês sabem seu endereço?  Seu e-mail ou até telefone? Ela tem conta no facebook ou Twitter?
            Ouvi dizer por aí que a Felicidade foi transformada em pássaro azul, boatos, eu sei, mas mesmo assim tentei encontrá-la. Essa foi a maior decisão de minha vida desde que eu nasci; na verdade, todos os que eu conheço possuem o mesmo ideal. Assim, saí de casa, larguei tudo e todos ao meu redor, viajei pelo mundo a procura do pássaro azul. Foram anos de uma busca incessante e cansativa pelas desilusões em meu caminho. Fui enganada inúmeras vezes com pássaros falsos, pintados de azul, mas cuja tinta escorria por seus corpos quando as lagrimas de meus olhos os alcançavam. Desiludida, resolvi voltar para casa, convicta de meu fracasso. Ao adentrar a sala de estar, meu coração acelera e uma alegria indescritível invade meu peito ao contemplar a linda figura banhada em cores de um azul mesclado, lembrando as ondas do  mar: o pássaro tão procurado por mim estava dentro de minha casa! Que audácia do pássaro ter se escondido! Ou foi a minha cegueira que não permitiu que eu o visse?
            Nascemos com o único propósito de sermos felizes; é esse o objetivo de nossas vidas, mas a forma com que essa felicidade é buscada que altera o rumo de cada destino. Olhar para fora de si e se enveredar na floresta do mundo material, achando que capturará o pássaro azul, tem sido a escolha mais frequente de todos nós, afinal, é um caminho, digamos, mais fácil e ,ilusoriamente satisfatório, de se ter prazer. Mas esquecemos, até sermos atingidos, que o êxtase do prazer momentâneo passa e o que resta continua a ser aquele vazio congelante que nos corrói a cada final de noite, com a sensação de que precisamos mais e mais de algo que nem temos idéia.
            Digo que a Felicidade é um estado de espirito que deve ser cultivado em nossas mentes e corações, pois somos os transformadores de nosso eu. As pessoas não te fazem infelizes, você quem está procurando a felicidade no lugar errado; não julgue e culpe o próximo, o lugar ou a situação em que esteja ocasionalmente sofrendo,  pois  é preciso, antes de tudo, olhar para si. O que o faz infeliz?  Deus nunca disse que a vida seria fácil; ele simplesmente prometeu que valeria a pena.É preciso olhar com as lentes da alma, mais limpa e sem manchas de ilusão, para conseguir entender a essência do que é ser feliz; os olhos carnais, ainda repletos de desejos e sofrimentos mundanos, não são capazes de diferenciar o pássaro real do fictício, pintado de azul por você para apenas preencher as suas necessidades.
            Alimentemos nosso pássaro azul com compreensão, luz, esperança e a água da fé. Não o prendamos em uma gaiola escura e apertada no fundo do porão de nossa alma por pura preguiça e medo de cuidar de tão raro e estimado pássaro e ir buscar no lado de fora de nossa ‘casa’ algo semelhante ao real, mas cuja beleza e tempo de vida são fugazes e perecíveis ao tempo.
Bruna Lupp

7 comentários:

  1. Sensacional!!! Parabéns mais uma vez, Bruninha!! É fácil notar que seus textos estão cada vez mais profundos! E vamos encontrar esse tal pássaro azul - enquanto isso fica a expectativa do seu próximo tema! =)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Profundo Bruninha.... profundo... ANA

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto, Bruna!
    Me fez refletir sobre o conceito de felicidade.. obrigada!

    7

    ResponderExcluir
  4. Liiiindo, Bruna!
    Coisa de arrepiar. Parabéns, mais uma vez.
    Lilly

    ResponderExcluir
  5. Adorei Bruninha; parabéns de novo!!!!bjks

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Tentei encontrá-lo em outras pessoas, isso mesmo, “as viagens” que fazemos na vida e percebi o quanto era imaturo em buscar esses latejos na volubilidade alheia.
    Fazer o bem a si, descansar, presentear-se, dar a si mesmo oportunidades é algo realmente significante. Percebo que a vida é feita desse “pássaro azul”. Ela palpita incessantemente, mas de acordo com nossas emoções e realizações é que podemos senti-la fluindo por nossas veias, literalmente.
    Após tantas situações sinto que não é certo esperar que os outros deem o que eu mesmo posso me oferecer e, por incrível que pareça, nunca fiquei decepcionado. É como brotar, coberto de ingenuidade, de um sonho para um novo mundo.

    ResponderExcluir

Deixe suas idéias sobre o texto: dicas, sugestões, críticas ... obrigada!